quarta-feira, 12 de março de 2014

Encontro marcado #recomendo

O livro de Fernando Sabino, intitulado O encontro marcado, lido distraidamente por um leitor inexperiente, é a história de vida de um homem qualquer, com seus prazeres, desejos e aflições, que procura conhecer o seu verdadeiro “EU” e que vai amadurecendo sem saber qual o seu papel real no mundo.
No entanto, esta não é apenas a história de um jovem a procura de si mesmo, mas a de um escritor em busca do reconhecimento de sua vocação.
A palavra “reconhecimento” foi posta aqui, propositalmente, de maneira a fornecer duplo sentido. 
Explico: o romance de Sabino, a meu ver, trata tanto da pouca valorização das pessoas, em geral, com relação à literatura como a de um escritor que busca avaliar a sua própria arte, a sua inclinação ao ato de escrever e a capacidade de produzir literatura.
Será a história do próprio autor? Talvez. Ou não necessariamente. No entanto, trata-se de um texto recheado de experiências pessoais. Seus personagens, por exemplo, estão ancorados em figuras reais.
De acordo com sua  biografia, Fernando Sabino teve uma vasta amizade com outros três escritores: Hélio Pellegrino, Otto Lara Resende e Paulo Mendes Campos, pessoas com as quais manteve contato e afeição durante toda a vida. No romance, os dois primeiros (Helio e Otto) aparecem na pele de Mauro e Hugo, respectivamente.
            Levando em consideração uma frase do autor: “minha vida é um livro aberto”, é possível afirmar que nesta obra “a arte imita a vida” a ponto de mesclar realidade com ficção. Em um país como o nosso, onde tornar-se escritor e produzir “literatura” é um processo extremamente dificultoso, acredito que o autor está retratando a trajetória de qualquer escritor (brasileiro?) que busca o seu espaço e reconhecimento no meio literário.
Dessa forma, o  texto confunde-nos a ponto de nos perguntarmos: o que é verdadeiro ou o que é ficção no romance?
Sabino, usando de seu personagem Eduardo Marciano, focaliza questões ligadas ao campo literário. O que é ser escritor? Como é ser escritor no Brasil? O que é boa literatura?

Mais do que se fazer tais perguntas, o autor se lança em busca das respostas no único âmbito em que talvez elas possam ser encontradas: na vida, na vida propriamente dita, na crua e gritante realidade das coisas.
Michele Pupo é professora, revisora de textos e escritora.




SABINO,  FernandoO encontro marcado. Editora Record,  76ª edição. Rio de Janeiro, 2004.

Um comentário:

  1. Muito legal!! Estava mesmo com saudades deste lugar...


    Beijinhos!!♥

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)