terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Usucapião


Eu leio muito. Ou, já li muito. Acontece que às vezes, ao bater o olho em uma frase, eu tenho a nítida impressão de tê-la conhecido antes... Já me passou, por exemplo, de escrever algo e não ter a certeza se é uma criação minha ou algum resgate de memória. O Quintana (Mario) dizia que qualquer ideia que nos agrade é nossa. Pobrezinho. Não conhecia o artigo 3º da lei 9.610. 

Eu, ao contrário, conheço e defendo. É por isso que me chateio quando vejo circular por aí, frases e trechos assinados por Fulano e Beltrano, mas que na verdade são de outro. 
Pode acontecer de, não intencionalmente, usarmos uma ideia de outro autor. Isso ocorre, sobretudo com quem tem um largo registro de textos na cabeça. Mas o inadmissível é a reprodução integral de uma crônica, conto ou poema, seja de um autor conhecido ou de um recém lançado.
É por isso que peço: muito cuidado com o "usucapião" de palavras. Há sempre alguém de olho. 
Ah! Dá uma espiada e vê se decora a lei sobre direitos autorais também: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9610.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)