domingo, 12 de maio de 2013

O que será lembrado amanhã...


Eu sempre acreditei na educação. Eu sempre acreditei na minha missão de educar.

Enquanto "mestre" aprendi que é imprescindível não ter medo, que é necessário arriscar e reagir ao sistema, por mais duro que ele seja.
Aprendi que o amor à profissão não transforma o mundo, mas é capaz de mudar a vida de muitos. 
Aprendi, sobretudo, que o ensino só se efetiva quando o "comandante em questão", no caso o professor, está motivado para guiar o barco.
A partir do momento que começamos a repensar o trajeto, é porque algo anda tremendamente torto.
Desde que peguei meu tão sonhado "canudo", garanti que quando a má remuneração, a falta de reconhecimento, o desgaste físico e psicológico e a não possibilidade de crescimento fossem maiores que a minha vontade de ensinar, eu abandonaria o barco. Foi o que fiz. E hoje, tenho certeza, que serei lembrada com carinho pelo que um dia ensinei e pela forma como tratei meus alunos e não por ter me tornado uma velha rabugenta e desapontada. Tenho dito.

"Obrigado pela persistência, pela vontade de querer nos fazer pessoas melhores, pela dedicação. Obrigado por ouvir nossos segredinhos e quebrar nosso galho tantas vezes!"
(6o. ano)

"Querida professora: Você foi, além de uma boa professora, uma ótima pessoa e nos proporcionou momentos de alegria e saber. Todos nós sentimos muito pela sua saída, pois perdemos alguém que participou de nossa formação. Queríamos lhe dizer que, acima de tudo, você nos incentivou em novas amizades, nos auxiliou com nossos problemas e deixou sua marca de carinho e afeto conosco! Obrigado por tudo" (Alunos do 7o.ano-)

" Estamos muito tristes porque você vai embora, mas mesmo assim desejamos que você se de bem em seu novo emprego. Você sempre foi legal, gentil, querida... Então, obrigado por tudo o que você já nos ensinou, por suas aulas maneiras.
Essa homenagem é para agradecer tudo isso. Nós te amamos." (6o.A)








Nenhum comentário:

Postar um comentário


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)