quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Clarice me traduz...

"Eu não aguento o cotidiano. Deve ser por isso que escrevo..."

"Eu vivo em carne viva."

"Tenho medo de escrever, mexer no que está oculto..."

"Dizer é muito importante. Dizer a verdade que se encobre de mentiras."

"Estou sofrendo de amor feliz. Quando se sente amor, tem-se uma funda ansiedade."

"Eu sou um frisson de espera."

(Clarice Lispector em Um sopro de vida. Editora Rocco, 1999.)

Um comentário:


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)