sábado, 18 de agosto de 2012

Relógio

Escutava a mãe criando planos e, por baixo do pano, mantinha os seus. Estava cansada do tic-tac do relógio, caminhando sempre na mesma direção. Precisava reinventar o tempo -um remendo- e algum veneno anti-agonia (Cazuza, se soubesse, diria). 
Ah os contratempos, o meio-tempo, o passa-passa do tempo. O passatempo que não passa.
Relógios. Elogios. Elo. Gios. Cada um dos anéis. As argolas e o ângulo da madeira. Quem dera a vida, fosse uma eterna brincadeira... Mas para mim, nunca sobra uma cadeira. Quando pára a música, sou sempre a última a sentar. Choradeira. 


Nota: 
Em Literaturafluxo de consciência é uma técnica literária, usada primeiramente por Édouard Dujardin, em que se transcreve o processo de pensamento integral de um personagem, com o raciocínio lógico entremeado com impressões pessoais momentâneas e exibindo os processos de associação de idéias. A característica não-linear do processo de pensamento leva frequentemente a rupturas na sintaxe e na pontuação.

Um comentário:

  1. Muito interessante esse seu texto e pertinente também, adorei! Parabéns, bjos.

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)