quarta-feira, 18 de julho de 2012

Salta o risco de giz!

Para M. R. O

Um céu sem nuvens. O sol majestoso dominava o dia com sua presença enorme. Na areia, alguns meninos corriam atrás de um bola. Do outro lado, dois homens pescavam, mulheres riam e um vendedor ambulante passava, cantarolando uma sincopada sinfonia:
- Óia a Tapioca, óia a Tapioca! Fresquinha, feita naora!
Ela sorriu. Tinha certeza de que ninguém mais além dela estava prestando atenção àquelas pessoas. Sentou-se em um banquinho e olhou para a vastidão de água a sua frente. Descobriu então o ar puro, livre e gelado, acariciando-lhe o rosto. Ficou alguns minutos ali, extasiada. 
As amigas chamaram:
- Vamos?
Não queria. Tinha sido tomada pela agradável e inquieta sensação de liberdade. Ninguém entenderia se dissesse que  podia ouvir canções napolitanas ao fundo. 
Era isso. Ela se sentia como Álvaro Bruno, o velho pazzo de Veríssimo. Ou Vasco. Ela também  queria "seguir ao acaso, como os barcos antigos, sem bússola, sem porto certo, guiada apenas pelas estrelas..."
Não ficaria parada para sempre, como o peru, que ao ver um risco de giz a sua volta julga que está preso e fica imobilizado...
Ela não. A amiga talvez. Teve vontade de gritar:
- Salta o risco de giz! Salta o risco de giz!
Mas calou-se. Esta era a sua visão de felicidade.  E guardaria para si mesma a iluminação gloriosa daquele momento. 
Foto: Vanessa Nicola



4 comentários:

  1. ahhh o mar realmente da uma sensação maravilhosa de liberdade...


    Há tem sorteio lá no me blog...
    mais corre que as inscrições só vão até o dia 28/07.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Michele! Foi muito agradável estar por aqui, gosto muito de contos. Tenha uma linda tarde, bjs!

    ResponderExcluir
  3. Amiga, que lindo! Maravilhoso! Bom, eu respondi esse texto lá no meu blog. Senti necessidade de falar mais do que talvez suporte um simples comentário no blog. Você e Vanessa me fizeram muito feliz! Love u! <3 (corre lá pra ler!)

    ResponderExcluir
  4. Foram dias de mta felicidade!!

    Bjos

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)