quinta-feira, 26 de julho de 2012

O homem medroso

“Se exponha a seu medo mais profundo; 
depois disso, o medo não tem mais força, 
e o medo da liberdade encolhe e desaparece. 
Você está livre.”

Jim Morrison


Não era um homem feio. Pelo contrário. Tinha uns traços que lhe atribuíam uma dose de formosura. Os olhos verdes apresentavam qualquer coisa doce, iluminada. 
A vida profissional? Ia bem, obrigado. 
A família almoçava junto todos os dias e aos domingos, punha mais água no feijão para receber os tios, tias, avós e o resto da parentalha que vinha para encher a casa de riso e de sujeira...
Tudo parecia nos conformes, exceto a sua vida social. 
Em festa não aparecia. Não dançava, por medo de tropeçar. Não viajava, para não se perder. Não usava o telefone, por vergonha de falar e não aparecia em foto, para não queimar.
Tinha medo de tudo, este homem. E de todos os medos que tinha, o maior de todos era o de se apaixonar. 
Até que um dia, ele conheceu uma moça, que era assim bem corajosa. Não tinha medo de nada, aquela moça. Ela ria alto, dançava torto, contava piada e rodopiava....
Sem se dar conta, ele começou a sonhar com ela. E de tanto pensar na moça, de tanto sonhar com a moça, de tanto admirar a moça, ele acabou por se encantar com ela. 
Um dia, ele ligou  e combinaram de se encontrar. 
Assim que ela chegou, ele foi ficando envergonhando, encolhido, murcho, todo escondido.E ela ria, falava, contava piada e o cutucava. De repente, o homem medroso, sem perceber, foi perdendo o medo do medo que tinha de se apaixonar. 
O medo foi ficando pequenininho... e um homem medroso, sem o medo, é só um homem. E o homem sendo só homem, não tem medo de nada. Sendo assim, ele a beijou. Primeiro devagarinho, depois com mais intensidade... e aquele homenzinho foi inchando, foi ganhando força, foi ficando tão grande que agora não tem mais medo de nada. Cai, levanta, se machuca, vai ao cinema e ao baile, dança torto e rodopia.
E aprendeu finalmente o que a moça já sabia. O medo perde a força quando a gente o enfrenta.

13 comentários:

  1. "O medo perde a força quando a gente o enfrenta"!
    Isso!!! Concordo em gênero e em número.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O medo tem medo de gente corajosa. :)

      Beijos e boa semana

      Excluir
  2. O medo congela... petrifica...
    E o pior e quem nao o tem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O medo faz parte da natureza humana, Cristiano. Ele existe para nos proteger de algumas coisas, mas em determinadas situações ele acaba nos tirando o prazer de viver algumas experiências.

      Excluir
  3. O medo transforma
    os mais belos em feios,
    enquanto a coragem
    é admirada por todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O medo nem sempre é antônimo de coragem, certo?

      Bjs

      Excluir
  4. Nossa, que lição!! Adorei! É bem isso mesmo, enfrentando nossos medos, eles enfraquecem...nós é que damos força pra eles!!
    Estava com saudades daqui...estou com uns problemas pessoais, mas aos poucos, retornando para os amigos!!

    Beijos!!♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Mari. Estava com saudade. Espero que as coisas voltem ao normal logo. Beijos

      Excluir
  5. Adorei ! vou agora mesmo bater um papo com um medo bobo ali e se ele tiver razão e tudo der muito errado, pelo menos terei tentado... e se não der certo, não era mesmo pra dar =) Beijinhos !

    ResponderExcluir
  6. O foda é quando o moço perde o medo, graças à moça, e aí passa a achar a moça sem graça e vai alçar vôos maiores...
    =/

    ResponderExcluir
  7. Foi o que pensei depois que reli o conto, Natália!

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)