domingo, 29 de julho de 2012

Eu não quero me sentir sozinha

Eu adoro ficar sozinha. Eu detesto me sentir só. Parece paradoxal (e talvez seja mesmo). Mas o fato é que curto muito não ter ninguém dando pitaco em tudo o que estou fazendo. Tenho uma relação muito intima comigo mesma. Em contra-partida, me incomoda a sensação de solidão. 
Explico melhor. 
"Estar só" é uma condição temporal. Às vezes dura dias, meses, anos, mas a qualquer momento se pode mudar de estado. E eu gosto disso. Gosto da possibilidade de ser independente, livre para decidir, planejar, resolver... sem ninguém comandando horários, alterando a agenda ou ditando o que devo fazer ou deixar de fazer. Isso é um dos motivos principais que me levam a querer morar sozinha. 
Contudo, em não raras situações, eu "me sinto só". E isso nada tem a ver com companhia. Cansei de estar rodeada de gente e ser tomada por um sentimento de rejeição, abandono, tristeza... Sim, às vezes me sinto perdida no meio da multidão (sabe aquela história de que os poetas são todos meio doidos? Pois é. É verdadeira e vale para as poetisas também). 
Na noite passada fui agarrada pelos dois sentimentos: o real (estar só) e o abstrato (me sentir só). Por sorte, um amigo me chamou para conversar pelo Skype. Por sorte maior, ele estava inspirado e falante. Contudo, não há assunto que aguente a mais de 3 horas de conversa direta e quando percebi que estava se esgotando, senti um aperto. Eu não queria ficar sozinha! Eu não queria me sentir sozinha!
- Ei, me conta uma história.
- Una história? - respondeu ele com seu sotaque portenho. 
- Sim, por favor. 
- Que tema
- Ah, não sei... Sobre sua infância, uma história para crianças, uma fábula, sei lá... qualquer uma... 
E ele contou. Uma. Duas. Três. Terminou a terceira quando o relógio marcava quatro e meia da manhã! Não podia continuar. Precisávamos dormir. Quero dizer: ele precisava. Eu fiquei me virando na cama até amanhecer... 
Sozinha com meus pensamentos! 
Vocês não sabem, mais não há nada que me dê mais medo! Porque quando começo a pensar me surgem inquietações como esta, que lhes estou narrando. Através deles (dos pensamentos), me dou conta das minhas necessidades afetivas. Dos meus vazios. Das minhas incompletudes. 
Fiquei triste. Pelos outros finais de semana solitários que podem estar por vir. Pelos almoços sem companhia. Pelo cinema e pela pipoca sem ter com quem repartir. Pelas histórias que não serão contadas para sempre...
Eu não quero me sentir sozinha. :(

18 comentários:

  1. Eu também não. Mas eu não costumo estar sozinha, bem que eu queria ter o meu cantinho, onde ninguém desse palpite, ainda mais agora que todo mundo resolveu dar opinião no que é melhor para mim. Queria ficar sozinha e nunca estou. Tenho tudo para não me sentir sozinha e nunca me senti tão só. E não é só a solidão no meio da multidão, é uma solidão entre amigos, na família, com o meu amor. É uma solidão da descoberta amarga de ter sido enganada, achei que tinha encontrado alguém que me escutava, disse até que me entendia, eu digo que mentia. Ninguém que me entende seria capaz de me enganar sem necessidade, só pela conveniência de não ter de explicar a verdade que tardava a aparecer...é acho que desabafei um pouquinho =P mas para parecer comentário lá vai: "lindo o seu texto, um lindo retrato de um triste fato que também vivo na pele" Beijos !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice

      Fico emocionada quando alguém se identifica com o que sinto. Isso me faz não parecer tão maluca... Obrigado por compartilhar!

      Beijos e boa sorte para nós!

      Excluir
    2. Beijos e muita sorte! Achei seu texto tão lindo que até escrevi um poeminha lá no blog!

      Excluir
    3. Ahhhhhhhh, que legal Alice! Vou ler!

      Bjs

      Excluir
  2. Hoje eu estava com vontade de cavocar meu peito, encontrar o que dói e arrancar fora. Me sinto só, mas pouco me serve esse recurso da internet. Não entro no msn porque sei que não vou nem conseguir interagir com as pessoas. O máximo que consigo é fazer comentários em espaço como esse.
    Ademais, me dá um certo nó na garganta saber como também se aflige essa moça meiga que conheço pelos textos, fotos e videos que vejo por aqui. E que ela está ali, no meu msn, e não consigo falar com ela. Me sinto só e inútil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. T.

      Parece que vivemos, todos, uma solidão conjunta... algo nos falta, sempre. Ainda bem, pois se fossemos completos, talvez morreríamos de tédio, de marasmo... As inquietações nos fazem pensar, escrever, dividir...
      Eu te entendo. Completamente.
      Quando sentir vontade de conversar, me chama. Para falar sobre tudo ou para falar sobre nada.

      Um beijo

      Excluir
  3. me identifico com esse relato....bjus querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom saber que não sou a única.

      Beijão, Dessa

      Excluir
  4. Conte histórias e, quem sabe, não se sinta mais só;) Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yayá

      É o que venho fazendo desde sempre.

      Um beijo

      Excluir
  5. Contar historia é uma boa... a gente se projeta naquele momento e esquece momentaneamente dos anseios presentes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiano

      Sim, Escrever é esquecer, já disse Fernando Pessoa.

      Um abraço

      Excluir
  6. Chorei com teu post, me sinto tão assim, igual vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alicinha

      Eu chorei com teu comentário. Renato esta certo: o mal do século é a solidão. :(

      Um beijo

      Excluir
  7. ...até que dance
    eternamente livre
    a dança do improviso.



    [um dia de cada vez]



    saudades.....beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Todo pensamento, por mais que eu queira fixá-lo, se me converte, cedo ou tarde, em devaneio" (Fernando Pessoa)

      Saudade, mãezinha.

      Excluir
  8. Acredito que as pessoas hoje em dia não querem se incomodar,por isso ficar sozinha é a saída. Por outro lado, precisamos compartilhar nossos sentimentos. Com o espelho não dá,apenas escrevendo também não. Daí a necessidade de outro ser humano ouvir a gente. É complicado. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  9. Juliano

    Vivemos em um mundo individualista, que não aprendeu a partilhar... :(

    Um abraço

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)