quinta-feira, 24 de maio de 2012

Que tal delirarmos um pouquinho?

Soa o despertador. Levanto-me. O que tenho para hoje?
Café. Pasta de trabalho. O caminho para a empresa, que posso fazer de olhos fechados. Os mesmos colegas. Os mesmos rostos. A mesma mesa. Os mesmíssimos papéis. O restaurante de todos os dias. O prato de sempre. 
Depois do almoço, o chefe, os telefonemas enfadonhos, o acúmulo de afazeres.
No mesmo horário de ontem, de anteontem, do mês passado e dos anos anteriores, retorno para casa. Banho-me, janto (os alimentos da mesma marca que meus pais compravam há 40 anos), converto-me em pedra diante do computador. 
Perto da meia noite, visto o antigo pijama de bolinhas e me deito. Do mesmo lado da cama, claro. 
Amanhã?
Bem... o despertador, o café, a pasta. a empresa, os colegas e o restaurante de sempre...


Assustador, não acham? Pois é. E há quem viva assim. Por dias, meses, anos, até uma vida. Sem perspectivas, sem sonhos, sem ousadias.
É tudo igual. É tudo repetido, idêntico, imutável. 
Novidades? Nunca.
Coração batendo acelerado? Jamais.
É a comodidade, o sentimento de conformismo, a inércia operando. 
Todos os dias, peço a Deus que não permita que me acomode. 
Sou, por natureza, agitada, impulsiva, inconstante. Não consigo admitir que a vida não passe de cenas repetidas e finais previstos. 
Gosto do novo, do que dá esperança, do que nos faz caminhar. 
Eduardo Galeano, jornalista e escritor uruguaio, conta que certa vez estava em uma conferência quando perguntaram a um colega dele (Fernando Birri) para que servia a utopia. Galeano,  ficou ansioso e olhou para o amigo com pena, pois a pergunta lhe pareceu extremamente difícil. 
Birri, no entanto,  respondeu tranquilamente : "A utopia serve para caminhar". 
Concordo plenamente.
Não conheço uma única pessoa que tenha perdido a capacidade de sonhar e mesmo assim tenha realizado grandes coisas durante sua existência. 
Sempre acreditei que a imaginação é o elemento mais importante na construção das próximas etapas da vida. 
Se fizerem uma breve releitura deste blogue, perceberão que todas as coisas que considero como grandes na minha vida, aconteceram porque eu esperava por elas! Desde um pequeno passeio até uma grande viagem, desde a seleção em um concurso literário até a publicação de um livro. 
A fantasia gera o desejo. E o desejo se transforma em objetivo. É isso que faz com que avancemos, com que tenhamos vontade de viver, de acreditar, de esperar! 
Quem não sonha, morre lentamente!
Já perceberam o quão rabugentas e infelizes são as pessoas descrentes? Estão sempre lamentando o estado atual das coisas e pregando um futuro catastrófico...


Por tudo isso, hoje, quero fazer um convite à vocês: Que tal delirarmos um pouquinho? Que tal pararmos por um momento e desenharmos para nós um novo futuro?
Quem me acompanha? :)

Eu renovei minha lista hoje. E você?


9 comentários:

  1. Delirar talvez seja o meu maior hobby !

    ResponderExcluir
  2. Quem não delira já morreu. E tenho dito! Hahahaha! Gatona querida... tb senti falta da tua companhia... Beijo grandeeeeeeeee!

    ResponderExcluir
  3. Preciso de ajuda! PLEASE!!
    Preciso renovar minha lista, e não consigo!!
    Faz muito tempo que estou com a mesma lista no colo...
    Não consigo mais refazê-la, recriá-la! Minha vida está estagnada!! Estou desde 2006 na faculdade e não consigo me formar...e ainda não vai ser este ano!! Affs!! Nem sei mais o que eu quero! Parece que não tenho mais sonhos...mas são os sonhos que nos mantém vivos! Como pode?? O que aconteceu comigo?? Queria tanto delirar de novo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari

      Então o próximo post é dedicado a você! :) Beijos, beijos

      Excluir
  4. Vc tem o dom de direcionar certas palavras pra mim sem saber que está fazendo isso.

    Eu já sei o que tenho que fazer para sair desse estado constante de comodidade, só falta deixar de ser covarde e jogar tudo pro alto.

    Um beijo.

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)