quinta-feira, 17 de maio de 2012

A Lua Cheia

Conteúdo adulto.

Estávamos sozinhos pela primeira vez. Era noitinha e a rua deserta.
Perguntou-me se estava nervosa. Respondi que não, mas ele quis comprovar. Colocou uma das mãos sobre meu seio. Retruquei que meu coração não ficava ali. 
Sorriu. Sorrimos.
Beijou-me o pescoço, a orelha, colocou a mão por baixo do meu cabelo. A língua quente viajava pelo meu colo. Abriu a blusa, tocou o bico dos seios. Rijos.
Beijou um. depois o outro. Com volúpia. Lambia, apertava, beijava. Era bom...
As mãos. Sempre elas. Marotas, indisciplinadas... Apoiou-as nos joelhos, foi erguendo o vestido até chegar as coxas. 
Um comichão estranho.
Afastou a calcinha. Os dedos fizeram todo o trabalho.
- Gostosa. 
Foi o que ele disse.
Olhei para o seu sexo. A calça quase explodindo. Quis apalpar. 
O sangue do seu corpo parecia estar todo concentrado ali. Toquei. Delicadamente, depois mais firme. Ele suspirou profundamente, em êxtase. Beijou-me.
Por alguns minutos, brincamos com nossos órgãos como duas crianças curiosas.
Depois, deitei no seu ombro. Olhei pela janela. A Lua alta. Cheia. Como nós. Como nosso amor. 
Era nossa melhor fase. Ainda não conhecíamos a Minguante.


Texto de minha autoria publicado originalmente no blog Os imputáveis

6 comentários:

  1. Muito bom!!!!!
    Adorei o desencontro
    mandei um email.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Show de bola!!
    Adorei o conto...

    Beijos!♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari

      Gostou? Visita o blog que linkei... tem outros lá.

      Beijos

      Excluir
  3. Não resisti....voltei e li de novo...
    Adoro esses contos, rsrsrsrsrs.

    Tenha um ótimo final de semana, Mi!!
    Beijos!♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari

      risos...
      Visite "Os imputáveis". Vai gostar.

      Bjs

      Excluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)