terça-feira, 15 de maio de 2012

Hoje estou a favor deles...

Sou feminista? Sou.
Defendo que TPM é uma doença e deve ser compreendida como tal pelos homens? Defendo.
Acho que eles são muitas vezes uns insensíveis que só pensam em sexo? Acho.
Mas hoje eu vou defender o gênero masculino. 
Primeiro porque o envolvido é muito jovem para enfrentar a situação que enfrentou. Segundo, porque apesar de tão pouca idade, ele se portou como eu gostaria que dois muitos dos marmanjos por quem me apaixonei tivessem agido durante uma briga. 

Vamos ao fato:

Estava no meio de uma aula na 5a. série, quando o P. (de 11 anos) me perguntou:
- Professora, a senhora já brigou com a sua melhor amiga alguma vez?
Respondi que tive algumas discussões, mas nada grave.
Ele, olhando para a coleguinha sentada na carteira de trás, continuou:
- Eu briguei com a minha e não sei o que você fazer para ela me perdoar. 
Ela, visivelmente irritada, resmungou:
- Me esquece, P.!
Ao que ele, tomado de uma maturidade encantadora, falou com voz doce:
- Má, fala o que você quer que eu faça... eu não posso adivinhar... Já comprei chocolate, já pedi desculpas... o que você quer? O que eu posso fazer para você me desculpar? Fala comigo, por favor!

Com este pedido, a mocinha não resistiu e sorriu. Ele, se ajoelhou e beijou a mão dela.

E eu e o resto da turma aplaudimos, claro.






5 comentários:

  1. Que lindinhos ! dá até gosto de resistir ao resto da semana!

    ResponderExcluir
  2. Que alunos queridos:) Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  3. Ai, que deslumbre, que ternurinha!
    Me encheu o coração este post.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Se fosse meu filho/sobrinho/coleguinha ou coisas afins
    diria... ajoelhar foi de mais...
    menos menos menos...

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)