terça-feira, 17 de abril de 2012

Das sobras de felicidade

Desejava-o com todas as forças do seu coração. Sonhava, delirava e ansiava por ele.
Durante anos, esperou pelo dia em que o colocaria sobre o peito e o apertaria, como uma mãe faz ao filho a quem ama. Nada mais tinha importância a não ser a sede com que esperava pela concretização dos seus devaneios.
Até que um dia, então, sentiu o coração acelerado. 
Toda a sua espera, sua ansiedade e sua insistência, seria recompensada.
Quando pôde, finalmente, colocar suas mãos no objeto desejado, seus olhos se encheram de lágrimas. Fechou-os rapidamente e beliscou a própria pele, sem poder acreditar no que via.
Era seu nome, estampado em letras azuis. Azul da cor do céu, que tanto amava. O  mesmo céu, que fazia com que ela tivesse vontade de voar e que também estava ali. 
Algumas pessoas vieram para contemplar sua felicidade. Um ou outro por curiosidade. Alguns por obrigação, mas, havia entre eles àqueles que vieram por carinho. 
Gostava de pensar nessa ideia. Doía-lhe imaginar que poucos ali compreendiam a magnitude daquele momento. 
Era para ela se sentir orgulhosa.
Era para ela se sentir realizada.
Mas, seu coração sempre tão grande, parecia apertado. Uma leve carga de aflição percorreu-lhe o corpo. 
As pessoas se aproximaram para que ela redigisse algumas palavras na primeira página. 
Usou vocábulos repetidos, gastos, maltrapilhos. "Com carinho", "para minha amiga", "espero que gostes".
Já não era mais um momento de glória. 
Já não era mais um sonho grande.
Era a efetivação daquilo que tanto desejava. Porém, nem de longe, o momento se assemelhou com o que esperava para si. Tampouco, percebeu prazer na face dos que ali estavam. Salvo raras exceções, os  outros estavam preocupados demais com o que fariam quando saíssem de lá.
E a felicidade dela se transformou em sobras. Só aí foi que ela percebeu que um sonho pessoal é mesmo uma coisa vã, que se esvai sempre que tentamos concretizá-lo.
Chorou por saber que é fraca demais para ter importância ou significado para outras pessoas.
É uma pena. Porque tudo que ela queria era chegar ao coração das pessoas. Ela queria escrever algo que inundasse a alma e fizesse brotar um sorriso na face de quem a lesse.
Mas nem todo mundo é capaz de compartilhar, repartir e se alegrar com a felicidade do próximo.

13 comentários:

  1. Minha amiga (e eu não me importo se este é um vocábulo gasto, porque palavras não perdem a força quando são ditas e escritas com franqueza),

    Eu penso que os outros são só os outros. Os nossos, esses sim, são os que importam. Os nossos SE importam. Alegram-se com a nossa alegria. Vibram com a nossa felicidade. De verdade. Ninguém se emocionará mais do que você, na realização de seu próprio sonho. Mas eu lacrimejo ao ver um sonho de quem gosto, de quem amo, se realizando. Vi fotos e me emocionei. De verdade. Os outros não se importam... E porque nós, você, qualquer um, deveria se importar com eles? Eles não podem roubar teu sorriso. Não deixe.

    P.S: Desculpe-me por não ter estado lá. Você é importante pra mim e este dia eu acompanhei de pertinho, mesmo estando longe. Tenha certeza disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem idealiza demais, corre o risco de se frustrar.
      Foi o que aconteceu, Mi.

      De qualquer forma, obrigado.
      UM BEIJO

      Excluir
  2. "Para minha amiga Vanessa Nicola que já mora no meu coração. Com carinho, Michele P. - 15/04/2012"

    Não preciso de mais nada...Foi um fim de semana maravilhoso ao seu lado e ao lado da sua familia linda.

    É bem como disse a Mirella: "Os nossos SE importam".

    E vc já está lá guardada na minha prateleira ao lado dos meus livros prediletos.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa

      Vc não imagina o quanto fiquei feliz com sua visita e companhia neste FDS. As palavras grafadas foram sinceras.

      Obrigado!


      Beijos

      Excluir
  3. Que é isso?! Tá louca? Mulher, você escreveu um livro!
    Muitas pessoas acreditam em você senão ele seria ainda apenas um manuscrito.
    Que se fodam os outros.( desculpe)
    Livros não são para qualquer um. É preciso sensibilidade, visão, senso de humor, de amor e principalmente inteligência para escrevê-los e para merecê-los.
    Erga essa cabeça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda

      Como diria Renato Russo: "eu nem sei porque me sinto assim, vem de repente um anjo triste perto de mim..."

      :/

      Obrigado pelo carinho.

      Um beijo

      Excluir
  4. Ahhh, Linda! Obrigada por isso, eu adorei! Tô contigo!

    Mi, lê com atenção a linda! Leu? Lê de novo! hehehe

    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Li sim, Mi.

      O meu sincero obrigado às duas.

      Excluir
  5. Parabéns. Nem tenho ideia de como deve ser olhar o primeiro livro, embora engendre esse desejo há bastante tempo! Parabéns e continue com o blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael

      Sinta-se bem vindo ao meu recanto e à vontade para devanear comigo. Já respondi seu e-mail e fico feliz com a oportunidade de interagir.

      Um abraço

      Excluir
  6. Michele

    Agora me deixou triste. Que é isso meu bem?
    Quanto a mim o que importa mesmo, é você e os que te amam! Para esses foi um momento inesquecível com toda a certeza. Quem foi para fazer numero poderia muito bem ter ficado de pantufa, instalado no sofá! Não deixe que isso te abata, sinta o quanto te fortalece. Chamo isso de inveja e hipocrisia. Você é muito mais importante que tudo isso. Deixa só no coração o que te fez bem e a alegria da tua criação.
    Beijinho e um abracinho de conforto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luar

      Já passou. Obrigado.
      Sonhei demasiadamente alto e me frustrei. Mas outros momentos virão.
      De qualquer maneira, fico feliz com as palavras.

      Um beijo

      Excluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)