domingo, 29 de janeiro de 2012

Ah, vô... quanta saudade você deixou!

Sabe vô, bateu uma saudade
daquele pé de jabuticaba, 
das conversas nos fins de tarde
das histórias de assombração.

Sabe vô, bateu uma saudade
dos bolinhos com canela
da vizinha à espiar-nos na janela
do quintal, da tua plantação.

Ai que saudades que eu tenho
das balas sete-belo
da tua letra, do teu desenho
de ganhar a benção da tua mão.

Ah, vô... quantas coisas a morte levou...
e depois da tua partida,
vivo a pensar na vida 
 e  lamentar nossa separação. 


Meu avô e eu

Vale a leitura: Coisas de infância

2 comentários:


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)