segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Preciso que aqueles que amo me libertem...

Não sei fazer nada pela metade. Meu riso é inteiro, minha paixão é intensa e até  minha tristeza é completa. 
Sou como aquelas crianças travessas que não sentem medo ao sacudir uma vespeira. Costumo cutucar e ficar esperando as picadas. 
Fui sempre assim e não tento mudar. Mas, de todas as completudes, existe uma que me incomoda. Esta, me perturba pelo fato de que não aceita imperativo.  
Um dia me disseram que ninguém consegue amar sozinho. Amar, exige troca. Há um contrato implícito.
Ninguém ama simplesmente por amar... todos nós esperamos ser amados, se não com a mesma intensidade, ao menos com uma pitada de afeição.
Acontece que não se pode dizer: "Ame-me, ame-me! Vamos é uma ordem!", da mesma maneira que nosso coração não aceita o contrário. Ninguém deixa de amar  porque quer. Ninguém nos ama porque queremos.
Eu preciso escapar daqueles que amo e não me oferecem o prazer de sua companhia.
Amar exige presença. Segurança. Amparo. Partilha.
E se não for assim, não quero.
Libertem-me!


3 comentários:

  1. Liberdade é tudo nessa vida mesmo! Viver refém de qualquer amor é cilada! Bjz, queridona! Mega semana!

    ResponderExcluir
  2. Fred
    Concordo! :)
    Obrigado e boa semana para vc tbm, seu lindo.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Sinta-se liberta, liberada!
    Vá e seja muito feliz!

    Bjs

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)