segunda-feira, 22 de agosto de 2011

I. Das mentiras que conto

Propago, divulgo, grito,
digo que gosto do caos.
Mas a verdade é que para o infinito
não quero desordem nem confusão.
Fico com a paz, o silêncio e o abrigo.

II. Ilusão

Escrevi-te alguns poemas
e e-mails com declarações.
Mas as frases ficaram pequenas
depois de todas as desilusões.

III. Vergonha

Hoje, quando te leio
sinto vergonha de mim.
Não sabia que eras bruto
e tão feio assim...

IV. Golpe de sorte

Quando o vejo cheio de rompante
a propagar o que não tem
vejo quão feliz sou
por não chamá-lo de meu bem.

V. Má

Quem me vê assim de longe
a gaguejar e corar
e me crê filha de monge
é porque nunca me viu zombar...


VI. Solidão

Não quis-te para namorado
como se tivesse outra opção.
Agora deixo abandonado
meu pobre coração. 

VII.
Quando me beliscava
o bico do seios
sem saber destravava
os lábios do meio. 

VIII. Obsceno

Se eu fosse má
publicava o seu retrato
queria vê-lo se "explicá"
e manter o anonimato...

IX. Perdão

Dos amores que tive
jamais pude me esquecer
de um tipo detetive
que vivia a me absolver. 

X. Recaída

E daí que não te quero para sempre?
Por que quer deixar-me uma semente?
Fica comigo hoje e depois olha-me de longe
que para tanto amor é pouca a vida
e esta é só mais uma recaída. 

2 comentários:

  1. Pensamentos soltos?
    De uma mente ainda presa?
    De um coração sequestrado?
    Por um "retardado"?

    Se cuida moça, você sempre será mais você.

    Beijos Dan

    ResponderExcluir
  2. Daniel

    Não pude deixar de rir... rsrs
    São só devaneios...
    Criou-me desde menina, para escritora, meu pai.Foi-me a oportunidade um dia, fazer-me autora não pude.Sou blogueira menor, perdoai. #parodia

    Beijos ^^

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)