segunda-feira, 4 de julho de 2011

O que realmente importa na vida? (Reeditado)

Às vezes me pergunto: O que afinal, eu espero da vida?
Houve um tempo em que eu sonhava sonhos de menina. Uma casinha, um ou dois filhos correndo e um amor para chamar de meu.
Quando cheguei a entender que a vida era mais, desejei ter uma profissão que me realizasse, um pouco de liberdade e umas notas de reais no bolso.
Fui mais longe... Cheguei onde jamais pensei que chegaria, fiz coisas que nunca imaginei que faria.
E hoje, olhando para o diploma e a foto histórica estampada com orgulho na parede, me dei conta de que isso é pouco.
E hoje, olhando para os papéis que se acumulam sobre minha escrivaninha, para a pilha de cadernos a serem corrigidos, para o sem fim de tarefas a serem executadas, me dei conta de que isso é realmente pouco.
Hoje, pensando em quantos verdadeiros amigos fiz na vida, em quantas pessoas me amaram ou amam, em quantos têm a delicadeza de me fazer um carinho, me dei conta de que, dilacerantemente, são poucos.
Para quem é feita de coração, para quem se preocupa com as dores alheias, para quem dá a vida para fazer os outros felizes, é pouco. É muito pouco. 
Por todos os lados, vejo pessoas lamentando-se por não terem sido promovidas, por não ganharem o que merecem, por não poder comprar este ou aquele carro e, particularmente, acho pouco. Miseravelmente pouco.
Eu espero muito mais da vida. 
E por isso, estou lutando, caminhando, tentando... 


3 comentários:

  1. Realmente muito pouco.
    Mas tentar é uma coisa que não podemos deixar nunca de fazer. Acomodar-se é infinitamente pior do que batalhar a vida inteira para alcançar um lugar ao sol.
    Estava com saudade daqui.

    ResponderExcluir
  2. Inaí

    Quando você fala em "Um lugar ao sol" lembro-me do Érico Veríssimo! Ah como amo aquele livro!!! Preciso de uma cópia nova, aliás!!!

    :)

    Senti sua falta aqui tbm!

    Beijossss

    ResponderExcluir
  3. O que realmente importa na vida é ter pão na hora de tomar sopa ;)

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)