domingo, 19 de junho de 2011

Caminhos tortos

Não queria aquela boca, aqueles olhos,aqueles afagos. Não queria aquele cheiro, aquelas mãos, aqueles dedos. O meu desejo era específico.
Não houve boas, nem más intenções. Não houve indecências, nem sussurrares. Sem rimas, sem poesia, sem borboletas no estômago.
Entreguei-me aos teus carinhos como um náufrago, sem planos, nem sonhos. 
No mormaço da tua língua, mastigo meus pensamentos.
Não! Não! Não!
Sou só um gato manhoso aninhando-me como uma criança.
Mas não é isso que eu preciso para ser feliz...
Não quero o teu gosto e este amor mal escrito.
Eu preciso de embriaguez. 
E isso você não pode me dar.






2 comentários:

  1. Mas é no caminho torto que aprendemos a andar. :)

    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. É, sabemos o que queremos, esse sentir embriagado, menos que isso, não vale a pena!

    bjs

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)