domingo, 29 de maio de 2011

É mais ou menos assim...

“Um dia, depois de viver sem tédio muitos iguais, viu-se diferente de si mesma. Estava cansada. Andou de um lado para outro. Ela própria não sabia o que queria. Pôs-se a cantar baixinho, com a boca fechada. Depois cansou-se e passou a pensar em coisas. Mas não o conseguia inteiramente. Dentro de si algo tentava parar. Ficou esperando e nada vinha para ela. Vagarosamente entristeceu de uma tristeza insuficiente e por isso duplamente triste. Continuou a andar por vários dias e seus passos soavam como o cair de folhas mortas no chão. (...) Na verdade ela sempre fora duas, a que sabia ligeiramente que era e a que era mesmo, profundamente.”
Perto do coração selvagem- Clarice Lispector


4 comentários:

  1. Clarice, sempre ela. Tão genial, intimista e avassaladora. Ela tem o dom de descrever grande parte dos sentimentos femininos assim, sutilmente, e de um modo tão profundo, real, único.
    Como sempre, o bom gosto imperando aqui.

    Um abraço e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  2. Oie..
    Adorei seu blog, estou me encantando a medida que leio..
    seguindo :D
    bjOoo

    http://camillacris.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Inaí

    Clarice é sensacional! Um dia escreverei metade do que ela escreveu! :)

    Uma boa semana para vc também!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Camila
    Fico lisonjeada! Obrigado!
    Retribuirei a visita já!

    Beijos

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)