quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A Cartomante - Parte I

Não sabia ao certo se acreditava nestas coisas... mas a aflição e a incerteza eram tão grandes, que ela acabou convencida pela amiga.
Bateram na porta e uma mulher com grandes e dissimulados olhos, abriu. A nossa personagem sorriu ao pensar que todas elas, cartomantes, videntes ou ciganas, possuíam o mesmo olhar enigmático e penetrante.
Sentaram-se ao redor de uma mesa revestida com toalha vermelha. A mulher abriu uma gaveta e resgatou um velho baralho. Foi apenas neste momento que Mariana se deu conta de que nem ela, nem a amiga, haviam dito qualquer palavra desde que botaram os pés dentro da casa.
Era estranho ver a velha derramar as cartas mecanicamente sobre a mesa.
Suspirou.
A cartomante começou a falar com sua voz rouca e medonha:

Os fatos que você deseja serão agradáveis.

Nove de Ouros: De onde você menos espera surgirá uma declaração de amor.
Dez de Paus: Seu futuro trabalho tem relação com viagens e locais distantes. 
Oito de copas: Receberá uma mensagem de amor.
Dama de Ouros: o que quer que você tenha desejado levará meses para acontecer ou se completar.

Mariana levantou-se. Pagou a mulher e puxou a amiga em direção a porta.
No caminho para casa garantiu que não havia acreditado em nenhuma palavra que a mulher dissera.
No entanto, passou o ano esperando pela efetivação dos acontecimentos.

Imagem da net.


7 comentários:

  1. Oi,sou eu, a Nira. O link antigo do meu blog deu problema.
    O link novo é
    http://meussentimentoscoisasminhas.blogspot.com/
    Depois passo aqui com mais calma e leio seu post como ele merece ser lido e comentado, ok? É que agora tô avisando o resto do pessoal pois vou precisar restringir o blog.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Sou muito séptico a estas coisas. Videntes, cartomantes, bruxaria etc. não acredito e julgo mesmo que, quem os procura é por terem um cerbro fraco. São desses fracos que essa raça chungosa consegue sobreviver. Não, eu sou muito forte e entendo que ninguém neste mundo tem um poder que eu não tenha. Só o poder de aldrabão é que eu não tenho.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Nira

    Estava procurando seu blog mesmo! Vou alterar o link.
    Obrigado por avisar
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. José

    Dizem que há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia. Vai saber, né?

    Obrigado pela visita

    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Rick

    E eu lá tenho cara de quem vai à Cartomante?
    Elas vêm até a mim. kkkkkkkk
    Qualquer dia te conto sobre um episódio engraçado envolvendo estas criaturas.rs

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Creio que o importante não seja questionar se existe mesmo pessoas com esse dom. O que vale é absudar do esteriótipo dessas personagens, do que elas representam.

    Quantos escritores não usaram e abusaram dessas figuras místicas e misteriosas, como em 'A Cartomante' de machado de Assis (bem trágico) e Clarice Lispector (tadinha de Macabéia).

    Abç.

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)