terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O que significa amar verdadeiramente?

Hoje, depois de muitos e muitos dias de trabalho, luta, desgaste e dedicação profissional, consegui ter uma tarde inteira livre para fazer o que me desse na telha!
Aproveitei para realizar um balanço interno do ano que passou (apesar de considerar o ato um tanto clichê).
Na passagem de 2009 para 2010 prometi a mim mesma que este seria um período de conquistas, em que eu definitivamente seguraria as rédeas de minha vida. Sou o que se chama de uma pessoa muito dedicada e extremamente responsável- apesar de impulsiva (e Clarice Lispector me entenderia...). 
Por este motivo, levei a sério o objetivo a que me propus e hoje, posso dizer com orgulho, que me sinto uma mulher mais realizada e feliz.
Enfrentei muitos obstáculos, dificuldades, chorei diversas vezes por não saber qual o melhor caminho, perdi finais de semana debruçada sobre livros e coloquei todo o meu empenho na busca pela realização profissional.
É sabido de todos que, quando uma mulher sacrifica-se pela carreira, a vida amorosa escoa pelo cano... Mas surpreendentemente, em todos estes momentos, houve uma pessoa que me socorreu, que me apoiou, que abriu mão de minha companhia para que eu pudesse cumprir com aquilo que desejava. 
Toda esta paciência e carinho me fizeram refletir sobre o que é amar verdadeiramente alguém...
Muitas vezes entrei em conflito, achando que o homem que me faria feliz deveria fazer parte do meu mundo, ter as mesmas opiniões, a mesma fé, os mesmos ideias...
Foram três anos tentando convencer a mim mesma que ele não era a melhor pessoa, que jamais seríamos um casal feliz, que não fazíamos parte do mesmo mundo. Apesar disso, em nenhuma ocasião, ele deixou de demonstrar o quanto me amava.
No dia dos namorados, quando eu achava que o melhor seria terminarmos de vez com tudo, ele me presenteou com um livro.
Confesso que olhei sem interesse para a capa, agradeci e coloquei-o na prateleira juntamente com outros. Em minha opinião, não era o melhor momento para lê-lo.
Engano meu. Talvez se eu tivesse ao menos aberto o livro e lido as primeiras linhas, teria compreendido a mensagem que ele tentava me passar. 
Na tarde de hoje, com uma chuvinha e um frio abençoado (e fora de época, convenhamos), resolvi fazer a leitura.
E, imaginem, vocês a minha surpresa...
"O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?", era o que dizia o prólogo.
Conforme as páginas foram seguindo, meus olhos enchiam-se de lágrimas e  foi então que eu compreendi o porque de tudo e encontrei a resposta que procurei durante muito tempo: "Amar significa pensar mais na felicidade da outra pessoa do que na própria felicidade".

Encontrei em você minha paz...


5 comentários:

  1. Que lindo e confortante ler este teu pensamento...realmente muitas vezes nos desprendemos daquilo que de fato nos pode fazer feliz.
    Estudar, manter a vida na linha e essas coisas todas são importantes...mas nenhuma delas sobreviveria com a mesma intensidade se não houvesse amor, sentimento, por trás disso tudo.

    um abraço!!

    ResponderExcluir
  2. ah, peço para que, por favor, altere a url do meu blog... um abraço, novamente! rs

    http://dospareceres.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Hummmmmmmmmmmmmmmm!!!!! não sei não.
    Melhor eu ficar calado.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  4. Michele, eu vi esse filme (Querido John), é muito bonitinho e romântico, daqueles pra você ver em momentos inspirados.

    Ainda não fiz o balanço do ano, Quero fazer depois do Natal, quando tiver tempo para respirar e organizar a vida pro ano que vem. Tá tão perto que assusta! rsrs

    Beeeeeeeijo!!

    ResponderExcluir
  5. Ana Raquel

    Link atualizado! ;-) Obrigado pela visita! Bjs
    ______________________________________________

    Paulo Francisco

    Não seja pessimista, meu caro.rs
    Bjs

    ______________________________________

    Alline

    Assisti ao filme também, mas este deixa muito a desejar. Fraco demais. O livro é melhor, muito melhor.

    Beijos

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)