quarta-feira, 16 de junho de 2010

Como se ama uma mulher- parte III

E afinal, qual o verdadeiro significado do amor?

Talvez nunca ninguém consiga responder com exatidão. O que sei, no entanto, é que "ele" não é tocável. Não trata com leviandade. Não acaba. Não diminui. Fortalece. Encoraja. Humaniza.


Como se ama uma mulher?

Seja incondicional.
Esteja presente.
Olhe-a nos olhos.
Trate-a com carinho.
Faça-a sentir-se especial.
E principalmente: não cobre nada por isso.  


Obs: Leia desde o início (logo abaixo, parte I e II).


5 comentários:

  1. Sim,sim,sem cobranças,amar não é cobrar e sim fazer as coisas por sastisfação,por gostar daquela pessoa,se sentir bem..o.O
    estranho falar de "amar" hj em dia,a muito não sei o q isso significa e até certo ponto não acredito tanto nisso..enfim,felizes são os q acreditam e conseguem amar como se fosse para sempre.

    ResponderExcluir
  2. Texto muito meloso, recorda o meu passado. Pena que para mim não deu certo. Mas o principal amor não se cobra, porém cria esperanças de retorno. A menos que você esteja muito condicionado a simplesmente amar sem esperar do outro.

    ResponderExcluir
  3. ANANDA

    Sei bem o que quer dizer. Também já estive desacreditada do amor.
    Mas chega um dia que a gente descobre que "ele" não é nada parecido com aquilo que pintam. Porque afinal,não inventaram ainda um modo de defini-lo.

    Saulo

    Salve, salve, meu amigo! Enfim apareceu por aqui! rs
    Admito o tom açúcarado do texto. Mas diga-me, tem outro para quem está amando?! rs

    Beijão gente!

    ResponderExcluir
  4. Faltou a parte da safadeza em suas recomendações... sem isso, a coisa fica muito ágape... mas sem a parte do eros o amor fica sem sal.

    No entanto, fico muito feliz em ver que estás escrevendo isso. Só uma pessoa bem realizada consigo e com o amor para fazer tal reflexão.

    Bjs de quem acha que pessoas felizes fazem bem ao mundo!

    ResponderExcluir
  5. Ah Eraldo, mas até a safadeza é diferente quando se tem amor...

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)