sábado, 15 de maio de 2010

Conversa de ônibus- Capítulo II



Depois de uma semana trabalhosa e de um sabadão de estudos poéticos, nada como voltar para casa pendurada em um "confortável" gancho de transporte coletivo e ouvir preciosas palavras de sabedoria popular...

(...)- Eles não tão namorano?
- Não.
- Nenhum dos minino?
- Não.
- Que coisa... Tamém essas mulhé de hoje em dia não querem nada cum nada. Só querem prá`quelas coisa... É milhor prá eles fica sozinho mesmo.
- ...
- Eu, ontem conheci "um".
- ...
- Vamô vê até onde vai... Ele disse que qué fica cumigo pru resto da vida... Sei lá, né...
-...
- Conheci lá no crube. Ah! Lá no crube todo mundo diz que o meu nenê vai ser um minino. Esse que eu conheci, falô que não importa, ele me ajuda criá.


Nota da autora: Cá com meu botões, poetei intimamente: "Ah mundo, vasto mundo..."

2 comentários:

  1. rsrs
    Eu vivo bisbilhotando a vida das pessoas que nem conheço no ônibus. Já ouvi cada história... algumas delas já até contei em meu blog

    Bjs que não tem medo de fofocar!

    ResponderExcluir
  2. Essa é a criação do brasileiro. hahahaha. De todos os males, ao menos situações como essas nos rendem boas e proveitosas gargalhadas. Gostei.

    http://marcostrauss.blogspot.com/

    ResponderExcluir


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)