segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Melancolia



Há quem diga que "quem vive de passado é museu"...
Se assim for, hoje eu sou nada mais nada menos que a personificação do COMITÊ BRASILEIRO DO CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS !
Maldita mania de guardar fotos, cartas, cartões postais, roupas, papéis e objetos antigos como verdadeiros tesouros!
Se não tivesse nada disso, agora não estaria aqui a ouvir Pedro Abrunhosa e a examinar nostalgicamente as tais tranqueiradas...
Droga de melancolia! Medonha saudade do passado!
E como se não bastasse, esta chuva, esta solidão e esta TPM que (como diria o poeta) me "põe comovida como o diabo"!
Mas isto passa! Ah, passa!
Ainda faço uma fogueira e queimo tudo... mas hoje não...me deixa aqui... me deixa em paz com minha deprê, me deixa em paz comigo mesma!

"Te deixo minhas pertenças
e todas as coisas tolas
que tínhamos às pencas.
.
Te deixo as músicas olorosas,
as tardes de vinho
e as taças chuvosas.
.
Te deixo uns poemas usados
com palavras que se calaram
nas teias do já consumado.

Te deixo alguns sonhos tortos,
e um despertar tão súbito
que nos acordamos mortos.
.
Te deixo o quem sabe um dia
que, ainda ontem, acreditando,
nos encheu de tonterias.
.
Te deixo o gozo arranhado,
as tontas desditas
e o grito calado.
.
Te deixo a aposta falhada,
a escolha desfeita
e as cartas roubadas.

.
Te deixo o chumbo duradouro,
a mágica perdida do nada
e o nunca jamais de ouro.
.
Te deixo agora e aí,
teu futuro presente,
restos do eu em ti.
.
Fica com tudo,
colhe tua gesta,
me deixe mudo.
"

(Fernando Botero, 1976)

Nenhum comentário:

Postar um comentário


"Se você me lê será por conta própria e autorrisco." (Clarice Lispector)